Mercado Foodservice Brasileiro: tamanho, expectativas e razões para o crescimento

Por:
Cristina Souza, Kate Moraes e Paulo Machado
Data:
17/5/2024

O mercado de Foodservice, que abrange toda a cadeia de alimentação preparada fora de casa, é um setor dinâmico e crucial para a economia brasileira. Compreendendo desde grandes redes até pequenos estabelecimentos independentes, como restaurantes, padarias e bares, o segmento tem apresentado um crescimento significativo e diversas transformações ao longo dos anos. Estudos recentes revelam dados importantes sobre o número de estabelecimentos, o impacto da inflação, tendências de consumo, e as expectativas de crescimento para 2024, refletindo o otimismo e os desafios enfrentados por empresários do setor.

Confira, neste conteúdo, dados do mercado foodservice brasileiro, como números do setor, expectativas para o seguimento, a relação da Inteligência Artificial com o foodservice e muito mais.

O Mercado de Foodservice

O termo Foodservice é utilizado para definir toda a cadeia da alimentação preparada fora do lar. Indústrias, distribuidores, atacadistas eoperadores de todos os tipos das redes aos independentes, como restaurantes, padarias, confeitarias, cafeterias, bares etc.

Números do setor

Em estudo realizado pelo Instituto Foodservice Brasil (IFB),em parceria com a Driva, mostra que, entre julho e outubro de 2023, o Brasil possuía 1,6 milhão de estabelecimentos ativos no setor de Foodservice. O segmento de lanchonetes liderou em número de unidades em atividade, com total de cerca de 227 mil pontos no País. Já o segmento de bares ocupou a segunda colocação, com 144,36 mil unidades.

Já a pesquisa Crest, realizada pela Mosaiclab em parceria com o IFB, indica que as refeições fora de casa diminuíram durante o segundo trimestre de 2023, no qual houve uma queda de 5% no número de visitas, em comparação com o mesmo período do ano anterior. O setor registrou um total de 3,1bilhões de visitas, com gasto total de R$ 59,9 bilhões.

Mesmo com a queda de 34% no faturamento total do setor em 2020 por conta da pandemia. Em 2021 houve uma recuperação de 18% e em 2022 o setor atingiu o mesmo patamar de 2019. Em 2023 andou de lado, com crescimento de apenas 1%.

Expectativas para o segmento foodservice

Em 2024, o segmento de Foodservice segue com otimismo, porém com senso de realidade aguçado. Ainda há uma massa importante de empresários endividados, especialmente, os de operações independentes, mas as grandes redes mais estruturadas têm tido sucesso e com expectativa de expansão e decrescimento para este ano. Para 2024, segundo o time de inteligência de mercado da Gouvêa Ecosystem, a projeção de crescimento do segmento é de 5% em um cenário conservador e 7% em um cenário otimista.

Impactos da inflação no setor

O consumidor ainda está extremamente sensível a preço e, apesar da massa salarial estar maior do que em anos anteriores, o poder de compra do brasileiro está reduzido. Com o impacto da inflação na alimentação fora do lar, as pessoas acabam optando por fazer refeições dentro de casa.

O crescimento do segmento de produtos veganos e vegetarianos

O segmento de produto veganos e vegetarianos teve um boom entre 2018 e 2019. Famosas lanchonetes trouxeram para os seus cardápios produtos plant based e marcas alimentícias levaram aos supermercados opções de congelados veganos, assim como, ocorreu o surgimento das novas marcas de leites vegetais. De acordo com os resultados de uma pesquisa realizado pelo Ibope DTM a pedido da Archer Daniels Midland, 52% dos consumidores brasileiros se identificam como flexitarianos. Entre 15 a 18% dos entrevistados, se dizendo vegetariana ou vegana.

Em 2020, com a pandemia, o consumidor ficou com um sentimento de restrição, que gerou nas pessoas a vontade de consumir produtos variados, criando assim em uma desaceleração do consumo dos produtos plant based. Desta forma, a indústria, que investiu no plant based, ainda está aguardando o aumento do consumo.

Os chefs de restaurantes de alta gastronomia, nos últimos dez anos passaram a abraçar o conceito e, nos últimos cinco anos as opções veganas e vegetarianas ganharam mais sofisticação a partir das técnicas aplicadas por esses renomados profissionais, ganhando cada vez mais espaço nos cardápios.

Razões para o crescimento de ofertas de produtos plant based

Dentre as principais razões para o crescimento, destacamos:

  • Preocupação com a saúde;
  • Crescimento de alergias alimentares;
  • Preocupação com o meio ambiente;
  • Moda;
  • Proteção aos animais.
O cliente deseja reduzir ao máximo o atrito seja em um restaurante, em loja ou online. A entrega humanizada vai ser avaliada e validada pelo cliente como um grande diferencial - Cristina Souza, CEO da Gouvêa Foodservice

Qual é a relação da Inteligência Artificial com o Foodservice?

No Foodservice, a Inteligência Artificial está aplica em diversos processos, como por exemplo:

  • Gestão da produção do campo.
  • Rastreabilidade de produtos industrializados
  • Monitoramento na carga.
  • Predição de pedidos a partir de dados.
  • Gestão por indicadores
  • Controle de desperdício e qualidade.
  • Pedidos e pagamentos digitais
  • Relação entre operadores e os consumidores.

Como a IA pode ajudar os estabelecimentos do foodservice na relação com o consumidor?

As questões ligadas a pedidos e pagamentos são muito importantes, pois são momentos críticos de potencial na jornada do consumidor. E, por meio dos dados, os estabelecimentos conseguem prever o comportamento do consumidor e também avaliar sua experiência no local, tendo a possibilidade de criar estratégias para tornar a experiência do cliente cada vez melhor.

É possível adicionar tecnologia para leitura da expressão facial do cliente desde sua entrada na loja, momento do pedido e sua interação geral. Sem sua identificação personificada, somente suas expressões.

Com a captação de dados dos clientes, realizações de pesquisas e acompanhamento do seu comportamento a inteligência artificial é possível entender as preferências deste cliente: o que ele gosta, de que modo quer, quais são suas restrições, entre outras informações. Isto pode favorecer a melhoria e a customização da experiência.

Desafios do Foodservice no uso da Inteligência Artificial

Os principais desafios em relação ao uso de IA no foodservice são:

  • Ética;
  • Preocupação sobre a substituição de pessoas por computadores;
  • A desumanização em relação ao atendimento.

Desafios na exportação de alimentos industrializados

Exportar alimentos para outros países é desafio para qualquer indústria. No entanto, o segmento de alimentos tem uma questão adicional para lidar: manter a estrutura do produto e sua qualidade no transporte de um país para outro. Veja abaixo alguns pontos importantes que as indústrias alimentícias devem levar em consideração ao planejar atingir novos mercados.

  1. Verificar a disponibilidade de investimento total para a exportação;
  2. Construir uma base de aceitação e experimentação do produto para os novos consumidores;
  3. Descobrir culturalmente como o produto exportado se conectará com os consumidores do novo país;
  4. Se o produto for congelado, levar em consideração a alta dependência da cadeia de frio;
  5. Ter aprovação de entrada no país de destino;
  6. Ter uma comunicação eficiente e atrativa em suas embalagens para os novos consumidores;
  7. Montar um plano de comunicação, que pode levar em consideração a contratação de influenciadores locais.

Marcas digitais no Foodservice

No auge da pandemia, o delivery atingiu um patamar de 21% em relação ao tráfego total do mercado de foodservice. Atualmente, esse número  é de 15%.

A vantagem do canal digital é a possibilidade de o estabelecimento atingir clientes que talvez não fossem na sua loja. Por outro lado, o cliente digital tem mais opções do que o presencial, por isso, a concorrência é alta e a expectativa do consumidor também é.

O advento das marcas 100% digitais ocorreu com aceleração tecnológica que se deu com a pandemia. Desta forma, muitos estabelecimentos de alimentação fora do lar passaram a atender os clientes exclusivamente pelo uso de aplicativos ou site.

Quais são os pontos de atenção que as marcas digitais de foodservice devem levar em consideração?

  • Mix ideal para o atendimento no delivery. Nem tudo viaja perfeitamente no delivery. Não entregar é melhor do que entregar algo ruim.
  • Fazer a precificação correta, tomar a decisão de usar plataformas próprias agregadores.
  • Fluidez da operação em loja. Idealmente analisar a capacidade do time anteder ao canal físico e digital simultaneamente ou criar operação adicional/complementar.
  • Cuidado com a embalagem. Lacres, selos, tudo o que preserve o produto e gere apercepção de valor.
  • Gestão de relacionamento com o cliente, tanto nas redes sociais quanto nas plataformas próprias.
  • Ter protocolos para solucionar problemas ou crises no atendimento.

Destaques

O Globo: Sete em cada dez brasileiros com mais de 50 anos compram online pelo menos uma vez ao mês

A pesquisa "Diversa idade", realizada pela Globo, foi lançada no Digitail Conference. Estudo indica que 92% dos brasileiros +50 acessam à Internet.
Leia mais

Diário do Comércio: Shein e Shopee garantem que nacionalização das vendas é prioridade

No último dia 27, o Diário do Comércio publicou a matéria sobre as apresentações de Shein e Shopee no Digitail Conference da Gouvêa Experience.
Leia mais

Valor: Por que o interesse crescente pelo consumo consciente vem crescendo e como isso afeta as empresas

Na reportagem de Claudia Penteado, Karen Cavalcanti, sócia-diretora da Mosaiclab, comenta sobre o comportamento do consumidor e sua dicotomia
Leia mais

Especialista da PetFuture, empresa da Gouvêa Ecosystem, comenta fusão de Petz e Cobasi

André Ferreira, sócio-diretor da PetFuture, analisa acordo de fusão de Petz e Cobasi em matérias da imprensa.
Leia mais

Nike inova com loja conceito da Jordan em Shibuia, Tóquio, Japão

A Nike, a empresa líder mundial em artigos esportivos, possui várias marcas, incluindo a icônica Jordan Brand. Estabelecida em colaboração com a lenda do basquete Michael Jordan em 1984, a Jordan oferece uma variedade de tênis e roupas esportivas exclusivas.
Leia mais

Guia definitivo do Direct to Consumer para 2024: tudo o que você precisa saber

O Direct toConsumer (DTC / D2C) é um modelo de negócios, no qual as indústrias vendem seus produtos diretamente aos clientes, sem intermediários, como varejistas e distribuidores
Leia mais

Ultimas postagens

Mercado Foodservice Brasileiro: tamanho, expectativas e razões para o crescimento

O termo Foodservice é utilizado para definir toda a cadeia da alimentação preparada fora do lar. Indústrias, distribuidores, atacadistas e operadores de todos os tipos das redes aos independentes, como restaurantes, padarias, confeitarias, cafeterias e bares.

Leia Mais

Vagas abertas na Gouvêa Ecosystem

Já pensou em trabalhar no maior ecossistema de consultorias, serviços e soluções para consumo e varejo da América Latina?

Leia Mais

Campus Party Brasília 2024 (CPBSB6): mais de 145 mil pessoas participam do maior evento de tecnologia do País

A 6ª edição do Com o tema “To infinity and beyond”, Campus Party Brasília 2024 (CPBSB6) ocorreu entre os dias 27 e 31 de março, no Estádio Nacional Mané Garrincha.

Leia Mais

Luiz Alberto Marinho participa da 2ª edição da CEO Real Estate Conference, do Itaú BBA

Durante sua participação, Luiz Alberto Marinho apresentou as principais previsões e inovações para o setor em um painel moderado por Daniel Gasparete, analista chefe do setor de Real Estate no Itaú BBA, abordando questões sobre o futuro e os movimentos do segmento de shopping centers no Brasil.

Leia Mais

FALE CONOSCO

Fale com um de nossos especialistas e descubra o universo de possibilidades e inovação que a Gouvêa Ecosystem pode oferecer ao seu negócio.

Obrigado! Recebemos o seu contato!
Oops! Algo deu errado, tente novamente!